terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Eu deveria me envergonhar? Ultimamente eu deveria sim. Quando foi que me permiti, por um segundo se quer, perder a fé em mim mesma, deixar de ter a absoluta certeza de que eu darei um jeito, e que tudo aos poucos se ajeitará? Eu não sei quando, mas sinto vergonha por esse momento. Como sempre, tenho tudo de que preciso para fazer as coisas funcionarem, agora umas cicatrizes a mais, umas histórias a mais e competência a mais. Pode vir, podem vir.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Os últimos inícios de ano tem sido difíceis, até onde posso me lembrar. Difíceis, confusos e incertos. Deve ser a pressão que me cai sobre os ombros a cada passar de ano.
" O que você tem, o que você fez na/da vida? Tu já tem 22 anos Mariá, já está passando da hora."
Peraí, da hora de que mesmo? 
Eu tenho e fiz muito nessa minha vidinha, pode ter certeza disso. Não que a maioria vá dar um algum valor para minhas conquistas, mas são minhas e à mim valem muito.
Ai que tá, o que eu devia ter na vida aos 22 anos para que valesse algo? O que se quer quando a pergunta " O que você fez da vida?" é feita, na verdade é, " O quanto você tem deixado de ser você para agradar os outros, manter um status inútil e ser infeliz?"
Bom, eu não tenho feito nada, ou quase nada, em relação a isso. Mas pode ter certeza, o quase nada, já me dá dor de cabeça o suficiente, eu queria mesmo era fazer NADA, de NADA.
Impossível descrever a admiração que tenho pelos corajosos que largam tudo e esquecem tudo para fazer o que bem entendem. Ok, eu sei que não é bem assim, eu sei. Mas que dá vontade, dá.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Aiai.
Vim aqui pra suspirar e respirar fundo. Tomar fôlego, posso até dizer.
 Os últimos tempos foram, no mínimo, peculiares, de todas as formas. Difíceis, incertos e ao mesmo tempo reveladores e gratificantes. Entende? Não né, claro que não.
Vez ou outra alguma coisa aqui dentro se remexe querendo sair, e em todas as vezes ela tem algo a me dizer. Estou tentando decifrar o que é agora, quais são a suas preocupações. Eu já suspeito, mas não sou advinha, tenho que repetir, e me lamentar mais uma vez. Só não cheira nada bem.