segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Eu errei tanto contigo, tanto. E era pra ser contigo que eu deveria acertar mais, acertar sempre. Você era a pessoa certa, sempre foi. Então por que esta cascata de erros sem fim? Por que? Por que eu não fui capaz de olhar nos teus olhos e ver o que eu deveria fazer, o que eu deveria dizer, o que eu deveria ser? Mas esse não foi o problema, não é? Eu não pude ser, jamais pude. Eu poderia ter acertado em tudo, de todas as formas, de todos modos, em todos os instantes, mas eu não era o que tinha que ser, na hora em que deveria ser.
Toda vez que consigo te sentir mais próximo de mim é por que tu está fisicamente muito mais distante. É nessas horas que tua não-presença aqui incomoda, judia. Eu posso voltar atrás com todo mundo, eu posso bater na casa de cada um dos meus amores e pedir desculpas, dizer o que tiver que dizer, mas não na tua. Na tua eu se quer sou capaz de passar na frente, eu chego a duvidar da minha capacidade de voltar a olhar nos teus olhos. Eu vou te botar na mala e te levar comigo pra onde quer que eu vá, sempre. E essa escolha não é minha.

Da série: " Olha o que eu achei nos meus cadernos/blogs velhos."
Triste né. xP
Eu quero ser capaz de respeitar essa estranheza, eu quero. Sério. Eu quero ser capaz de lidar com o fato de ser sensível ao humor, a mentira alheia.  Tentar conviver com certas "habilidades" que tenho, aprender a usa-las ao meu favor e não entrar em parafuso por causa delas.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Fui a garota dos teus sonhos, há 7 ou 8 anos atrás. Hoje, quaaase mulher, fui banida deles. Talvez eu tenha me tornado tudo aquilo que sempre quis ser e tudo aquilo que tu sempre abominou. Paciência né? Eu fui criada para o mundo, e te eximindo dessa culpa e também do mérito, tu não tens do que reclamar. Tu tens muito do que se orgulhar, mas isso tu nunca vai enxergar, e eu também não espero que enxergue.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Difícil explicar o que o Acid foi pra mim. Poderia dizer que foi mais um projeto que se tornou realidade, e que na sua realidade foi um sucesso, mérito meu, do Thales e de toda a galera que deu o coro pra que ele assim fosse. Mas não foi só isso, penso que o Acid é a prova viva de que somos capazes de fazer coisas realmente grandes juntos, todos nós juntos. Percebi que com um pouco de audácia, inteligência e força de vontade se pode fazer coisas realmente incríveis, por que o Acid foi sim, incrível. Depois de muitos tombos é realmente ótimo se reerguer dessa forma. Obrigada por, além de tudo, ter me feito voltar a acreditar em mim mesma, Festival querido.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Não somos idiotas, não somos um bando de retardados incapazes de pensar por si mesmos. Não somos seguidores, somos pensadores. Somos capazes de mudar nossas vidas e o meio em que vivemos. Somos capazes de mudar vida alheias. Nós não somos só um aglomerado de alienados espectadores da Rede Globo, não achamos engraçadas as piadas que nos contam, não queremos sua "Bolsa esmola". Não precisamos de posses, papéis e símbolos para demonstrar nosso valor. Não precisamos de um troféu na estante ou um diploma na parede para ser alguém. Nós ainda somos capazes de nos importar uns com os outros, ainda temos compaixão. Nós temos, acima de tudo, capacidade de lutar para que não nos corrompam ainda mais. Somos seres vivos, e somos tão importantes quanto um cão sem lar. Sabemos de tudo isso, sabemos. Nós somos seres incríveis, seres reais, de carne, osso e coração, não precisamos acreditar em nada que não exista para sermos completos. Podemos viver sem precisar botar a culpa de tudo o que acontece em alguém que não é de verdade. Nós somos tudo isso e podemos tudo isso, só precisamos não esquecer disso.