sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Até logo

Cheguei a triste conclusão de que não tenho muito mais a lhes dizer, além do que já disse nos últimos 2 anos (ou   quase isso). Percebi que continuar insistindo não será bom para mim, menos ainda pra quem lê. Eu não tenho nada para acrescentar, eu não tenho nada a dizer no momento. Por isso, e não sem dor, eu me afasto e desisto (por hora) deste blog. Ele vai continuar aqui, eu não seria capaz de exclui-lo, tem tanta coisa, tanto sentimento, tanta vida que compartilhei nele que exclui-lo seria quase como matar um pedaço de mim que eu mesma criei.
O "Ninguém vê como eu vejo" vai tirar férias de mim.
Talvez eu volte algum dia, talvez não. Talvez eu venha, periodicamente, lhes contar algo que valha a pena ser contando, mas não com a mesma freqüência, não com o mesmo compromisso.
Achei necessário faze-lo, ele como eu, tem andado meio vago, sem idéias, desinteressante de certa forma.
Guardemos então os bons tempos de fúria literária, da paixão efervescente em cada texto. Guardemos a intensidade antes que a monotonia nos torne obsoletos.

Obrigada por doarem um pouco do seu tempo ao "Ninguém", por lerem e se envolverem e se identificarem com qualquer coisa que eu tenha dito aqui. Comecei a escrever por que gosto, continuei por que fui incentivada, por vocês.
Fiquem bem e boa sorte a todos.

Não é um Adeus, é um Até logo.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Eu acho bom pular fora dessa confusão enquanto ainda há tempo. Mas. Mas não, não há mais tempo. E agora?
Como se já não bastasse a habitual palhaçada do governo com a juventude, a falta de incentivo, de educação, e todas essas coisas as quais estamos cansados de ver, eis que ele, o governo, esvazia seu saco de piadas e chacotas, fazendo o grand finale; o ENEM.
Parabéns.
Alguns sacrifícios são necessários quando se visa um objetivo maior. Pequenas farpas, nada que atrapalhe de verdade, nada que seja de fato incomodo. Agora, se não há disposição para sentir uma pequena dor, então não motivo para seguir em frente, não há propósito.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Permitam-me sumir e deprimir. É isso que tenho feito e é isso que continuarei a fazer por hora.
Boa sorte a todos.