quinta-feira, 29 de abril de 2010

Eu preciso pagar pra dormir agora?! Parece que sim.



2:24 da madrugada de quarta pra quinta, eu quase dormindo depois de 4 episódios seguidos de Family Guy e meu celular toca, meu deus meu celular toca! Alguem me odeia muito nesse mundo!
05184****** chamando
Não conheço, ignorei.
De novo. Ignorei de novo.
De novo. Ignorei de novo.
De novo. Irritei, vo atender. Meio sonolenta tentei um "Alô!" firme e nada simpático.
- Cruzes, isso é jeito de me atender? - Uma voz inconfundivel invadiu meu ouvido.
É brincadeira ne? Cade a camera? Pegadinha do malandro no meio da madrugada eh foda galera!
- Meudeus!
- Tá dormindo?
- Não, to jogando bola! To tentando ne.
- Amo tua simpatia comigo. Por que eu sei que é só comigo que tu é assim. Tu ta bem? - O interlocutor tentou iniciar uma conversa.
- To bem. Estaria melhor dormindo, mas to bem.
- Te conheço vai, se tu tivese realmente dormindo não teria atendido o cel. Tá com insônia de novo.
- É, mais ou menos.
Pausa.
- Por que tá me ligando a essa hora? - Perguntei.
- Queria falar contigo só, faz tanto tempo que não nos falamos.
- Não. Alguma coisa aconteceu pra ti me ligar. Faz mais de um ano que não ouço tua voz.
- Mas mesmo assim a reconheço no primeiro sussurro.
Pausa. Pigarriei.
- É. Brigou com o amor então ne? Só pode vei! Briga com o amor e me liga!
Riu alto!
- Eu não preciso brigar com o amor pra querer te ligar. O amor só precisa estar longe pra mim fazer isso!
Rimos.
- Meu deus! Como tu pode fazer isso com o amor? O amor com que você terá filhos!? - Eu zuei.
Seu tom de voz antes brincalhão mudou completamente pra um tom firme, convicto.
- Os MEUS filhos serão os TEUS filhos.
O.O
Respirei fundo.
- Eu não quero filhos, tu sabe disso.
- Eu sei, mas comigo vai querer, tenho certeza.
Mais uma pausa, dessa vez mais longa.
- Tá com sono mesmo? - Perguntou com a voz mansa que consegue qualquer coisa de qualquer um, inclusive de mim.
- Tô mesmo. Tenho que trabalhar amanha.
- Eu sei. Eu sei que tu trabalha agora. E eu tambem sei que tu tava de rolo e que agora não tá mais, e eu sei até quem é! O teu bom gosto se confirma a cada dia em?
- Brigada. Anda lendo meu blog então? - Perguntei me virando na cama.
- É, leio sempre. A escrita é um talento teu não que conheci na minha época. Alias, eu sei tudo sobre tua vida! - Exclamou.
- Pronto. Começou. Tu sabe onde eu vou, com quem, quando, o perfume que eu uso, as pessoas com quem eu fico, minha comida preferida, quando to triste, quando to feliz! Que mais!? - Eu debochei.
- Debochada! Eu sei com quem tu fica, sei com quem tu anda, eu sei o perfume que tu usa! E sei mesmo!
- Tá tá. Superamos essa fase da nossa vida né? Sim, superamos. Ai, eu quero dormir. Vamos dormir?
- Não! Fala comigo!? - Choramingou.
- Me faz dormir então? Fala ae pra mim dormir como antigamente? - Fiz a proposta.
- Tá, pode ser. Te faço dormir falando no teu ouvido como antigamente entao. - Fazendo manha.
Me arrumei na cama, botei o travesseiro em cima da cabeça, desliguei o note. Suspirei fundo.
- To pronta.
- Ok. Eu tava lembrando antes de te ligar daquela música que tu SEMPRE cantava pra mim...
Continuou falando e falando e falando, algumas vezes eu respondia, ria. Até que seu tom de voz começou a ficar cada vez mais baixo, mais manso e eu fui pegando no sono, até dormir. Tudo como antes.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

terça-feira, 27 de abril de 2010

Ontem demorei a dormir, na verdade dormi muito pouco, por que no momento em que estava la, quase dormindo, acordei de supetão procurando o celular, como se ele fosse capaz de me salvar de algo. Levantei da cama rápido como se alguma coisa nela me queimasse, me encomodasse. A encarei, ofegante, meio tonta por levantar tao de repente. Escorei no armário e do nada, como se alguem apertasse um botão em algum lugar de mim, eu desabei, fui ao chão. E o chão bem sei não e macio, me bati, me arranhei, me encolhi. Segurei as duas pernas contra o peito e fechei os olhos o mais forte que pude. E o segundo botão foi pressionado e a pessoa que vos escreve foi a lona de vez, eu chorei descompassada e copiosamente, mas eu chorava e ria ao mesmo tempo, por que eu nao sabia o motivo do choro, eu não sabia! Eu não sabia por que estava desidratando!
Mas sabia bem por que aquilo acontecia, não foi a primeira nem a segunda vez que isso aconteceu e nem vai ser a última. Essa é a forma, acredito eu, de me dizerem que alguma coisa mudou ou vai mudar, de me forçar uma "lavagem de alma", sabe? Eu nunca choro, mas preciso chorar, então sou praticamente forçada a isso.
Depois de alguns minutos, que pareceram muitos. Eu senti que minha cama já era um lugar seguro de novo e voltei pra ela.
Eu preciso dormir.
Vindo de algum lugar, vindo de dentro da minha própria cabeça talvez, eu ouvi; " Vai ficar tudo bem."
Vai sim.
Sim, minha idade mental é de quem tem 14 anos.
E dai? E tu que é feio?
Eu tava lá sentada em um muro qualquer. Tinha um copo ao meu lado e umas pessoas ao redor de mim. Não lembro o que era dito e a normalidade não nos afetava naquela hora. O momento não era bom, o momento era estranho, parecia não caber em mim.
- Nós somos iguais mãezinha!
Ouvi uma voz atrás de mim, gritando nossas semelhanças.
- Nós somos iguais!! Nós somos iguais!! – Ela gritou.
- Não somos não. –Eu protestei no mesmo tom. Com um Q de brincadeira.
Ela se aproximou de mim, abaixou-se na minha frente e botou as duas mãos nas minhas pernas e já alta ela começou a falar mansa.
- Mãezinha, tu ta bem?
- To sim. – Eu falei
- Tu sabe ne, nos somos iguais.
- Não, não. Nós não somos iguais. – Eu protestei. – Nós podemos ter algumas coisas parecidas, mas não somos iguais não.
- Ta, pode ser isso então. – Ela se rendeu ao meu argumento.
Sorrimos uma pra outra. Um momento de silencio.
- Te teve nas mãos né mãezinha? Teve a maior galinha nas mãos e não deu valor.
Eu sorri amarelo.
-Não é bem assim. – Tentei amenizar.
- Te teve nas mãos e não soube o que fazer.
Eu assenti sorrindo de canto, começando a sentir um nó na garganta, um pouco transtornada com aquela informação que pareceu ser cada vez mais real. Era real.
- Ou não quis saber. – Finalizei. Tensão no ar.
- Tu tem ceva ae? Vo lá buscar.
Ela levantou e foi buscar mais uma cerveja. Mais uma cerveja.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Ainda vai ter um (L) do lado do teu nome nos meus contatos, ainda vou te chamar de amor sempre que falar contigo, ainda vai ser em ti que vou pensar com carinho toda noite antes de dormi e todo dia depois de acordar.
Por que eu ainda gosto de ti e isso não vai mudar fácil assim.
Minhanossa!
Nós estávamos prestes a morrer! Prestes a sermos deixados nus e sem vida na sarjeta. Eu tive medo por instante. Cumprimentos desconfiados. Minha cabeça mil, eu sabia como agir, já tinha passado por isso antes. Então, uma luz no fim do tunel, ou melhor uma música. Ouço uma batida seca vinda de um celular. Feito!
- Porra! Vocês curtem Racionais?! Eu também curto Racionais!
Fui ovacionada, mãos vieram me cumprimetar de todos os lados. Estávamos salvos por enquanto. Eles começaram cantar, eu implorei pra mim mesma: "Lembra da letra merda!"
Droga de neoronios queimados! Embromei e me lembrei!
" Fé em deus que ele é justo, ei irmao nunca se esqueça. Na guarda guerreiro levanta cabeça"
Foi uma síntese de tudo, um resumo minúsculo do que poderia ter sido enorme, mas nem se quer foi no final das contas.
Empurrei a porta de casa com força desnecessária e sem olhar pra nada sentei no sofá. Sob um olhar assustado e ao mesmo tempo preocupado. Suspirei fundo.
Só a tv falava. Escorei meus cotovelos em meus joelhos e baixei a cabeça.
- Tu tá bem?
Assenti.
- Humm. - Pausa - É o amor?
Assenti de novo e disse:
- Ou a falta dele.
Me estiquei e suspirei de novo.
- Tu vai chorar? - A pergunta veio insegura
Fiz que "não" com a cabeça.
- Isso passa ne, sempre passa.
Assenti.
- Sempre passa.
- Vamo pra rua?
Eu sorri balançando a cabeça quase que em tom de desaprovação. Suspirei uma última vez e levantei de supetao.
- Vamo pra rua!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Eu que seria capaz de entrar na igreja(amarrada) ao som de ‘Welcome to the jungle’ do Guns, enquanto meu marido alto, moreno, malhado e desprovido de inteligência, me esperaria de smoking sorridente e feliz por estar fazendo a maior burrada da sua vida. Eu que depois de casada teria 2 lindos filhos, que fisicamente puxariam ao pai obviamente, 2 monstrinhos com meu gênio e graça. Amem. Eu que viraria uma dona de casa viciada em malhação e em comer ração humana, enquanto meu marido lindo, moreno, malhado e desprovido de inteligência ganharia sua vida treinando coroas mais gostosas do que eu e as comendo, eventualmente. Eu que descobriria depois de algumas semanas de casada que meu marido gostosão realmente é ruim de cama, assim como suspeitava antes de casar, mas nunca tive certeza, pois dormia durante o ato. Então eu passaria a dormir com meu colega de academia mais gostoso, mais bem dotado e MUITO melhor de cama que ele. Anos depois, filhos adolescentes, um é gay, o outro metaleiro. Um dá pra todo mundo e o outro não come ninguém. Um usa calças mais apertadas que meu suplex e o outro é frequentemente confundido com a Avril Lavigne por causa dos cabelos compridos. Depois de anos, meus filhos, um casado com o mecânico bem dotado da esquina e o outro ainda virgem trancado no quarto tocando guitarra. Um marido com pelancas caindo, barriga de chip e pai de mais 3 crianças. Eu cheia de botox e mais repuxada que a Hebe fugiria com minha dermatologista 20 anos mais nova, afim de novas experiências. O título do texto seria; “O futuro que não quero, e não que vai acontecer de JEITO NENHUM” Ok, preciso parar de ouvir Guns.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

As coisas, os sentimentos, as intenções. Elas mudam assim ó, estalando os dedos.
As vezes parece que tenho 20 anos, de tanta história que tenho pra contar, e eu queria poder contar todas, em detalhes, mas dae os menores de idade nao poderiam entrar nesse blog. E eu não to falando só de sexo minha gente, não to. A vida, infelizmente, não é só sexo.
Coisas para fazer antes dos 30

beber uma garrafa de tequila - OK
transar com um dos seus melhores amigos - OK
encontrar com alguem da net - OK
fazer uma tatoo - OK
subir em um palco e dançar loucamente
fugir de casa -OK
pular de bumg jump
matar aula pra ir no buteco -OK
passear sem calcinha (cueca)
agarrar seu amor platonico -OK
fingir ser estrangeiro e falar um idioma que nao existe
ficar com alguem 10 anos mais velho que vc -OK
sair de casa na sexta a noite e voltar na segunda de manha -OK
dormir com a roupa que saiu dps de um porre -OK
ir a praia de nudismo
ficar com seu professor
roubar o namorado de alguem -OK
ir pra escola bebada -OK
se apaixonar a 1ª vista -OK
usar a melhor roupa pra ir ao mercado
sair com o melhor amigo do seu ex -OK
pintar o cabelo de uma cor absurda
chorar vendo um desenho -OK
ir parar na delegacia
beber ate ter amnesia alcoolica -OK
aprender a tocar algum instrumento -QUASE
ter um diário secreto -OK
beijar um passante -OK
ir numa formatura de short e chinelo
assaltar uma loja
pegar carona com desconhecido -OK
ir pra balada de onibus -OK
dormir na rua -OK

Tô quase lá! E ainda tem mais 10 anos! o/

Comunidade do orkut. :}
Eu mataria por uma dose de tequila agora.
Da série " Olha o que eu achei nos meus cadernos/blogs velhos"

Eu sei lá, a musica tava muito alta, muitas luzes, mas mesmo assim o semi breu predominava. Pessoas, muitas pessoas, muitos toques despretensiosos, muitos cheiros, muita bebida. Eu conversava e ria animadamente com várias pessoas ao mesmo tempo, muita coisa sendo dita, muita coisa nem entendida, mas parecia engraçada vai, vamos rir! Uma amiga me chama a atenção estalando os dedos na frente dos meus olhos, eu a olho e sua expressão é de surpresa com preocupação, tem o cenho franzido e o olhar fixo em alguma coisa atrás de mim. Fiquei séria por um momento, sem conseguir entender. Percebi seu olhar distante e tentei olhar na mesma direção, nesse momento o sentimento exposto nos olhos dela era de pavor. Tentei virar o pescoço pra trás. Algo, alguma coisa me impediu, gelei. Senti unhas na minha bochecha e um toque mais do que conhecido. Meu coração pareceu parar de bater, minha respiração foi nula. Tentei virar a cabeça de novo dessa vez com menos esforço, com o objetivo de ver quem eu já sabia ser. Novamente fui impedida. Senti alguma coisa se aproximando de meu ouvido e um arrepio que veio do calcanhar e foi até o fim da nuca me estremeceu. - “ O tempo não calou a voz...”
Sem conseguir pensar conscientemente, sem conseguir reagir, sem conseguir fazer nada! Me virar ou responder ou ir a atrás ou fazer qualquer coisa, meu pensamento continuou a frase recém ouvida;
- “ ...do amor que era maior que nós. Ainda te quero aqui.”
Sei lá, quanto tempo foi, pareceu muito.
- Meudeus o que foi isso!? – Gritos!!!
- Eu sei lá. – Respondi tentando voltar a realidade finalmente me virando. Nada. Como um fantasma que sempre foi, sumiu dali, pra longe de mim.

Tá, isso nem foi a tanto tempo assim.

terça-feira, 20 de abril de 2010

=\
O dia que então eu descobri que nem tudo precisa ser levado ao pé da letra, que nem tudo precisa ser extremamente intenso, intenso de se perder a noção do que é real, o dia em que vi que nem tudo precisa ser exatamente como eu quero pra ser bom. Por que nada no final das contas vai ser do jeito que planejamos, mas a felicidade vai estar em cada atalho que pegamos. Carpe Diem meus caros.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Meus verdadeiros amigos estão onde deveriam estar, longe mas perto, perto mas longe.
Cada um com seu grau de importância elevado cada dia mais na minha existência, a cada noite que eu deito a cabeça no travesseiro e penso:
- Porra, como eu seria mais feliz com eles sempre perto. Cada um deles.
E eles estão. Eu lembro das promessas, que não foram só promessas, nada mudou, nós continuamos os mesmos pra nós. Os mesmos idiotas, infantis e bobos alegres de sempre. A diferença agora que conhecemos a vida lá fora, o que nos fez amar ainda mais o que sempre tivemos. E como eu os amo meudeus! AMO AMO! ²²²²²²²²²²
E sabe, não é que não tenha espaço pra mais ninguém além deles, bem pelo contrário, eles me mostraram que todo amor pode e deve ser multiplicado e por isso, tenho a absoluta certeza de que nos últimos anos conquistei grandes e verdadeiros amigos, não tão velhos quanto eles, mas igualmente bons. E eu os amo também, amo de verdade.
Por vários anos eu, nós, pensamos em tatuar isso, em encravar na pele tudo o que significamos um para o outro, e hoje enquanto eu dava mais um passo pra concretizar esse plano, eu me toquei de uma coisa, uma coisa tão simples e tão verdadeira; nenhum tipo de marca, cicatriz, desenho, escrita ou painel luminoso vai ser capaz de traduzir esse sentimento, uma tatuagem nunca seria capaz de demonstrar tudo o que eles significam pra mim.
AMO VOCÊS e vou repetir isso milhões de vezes. SEMPRE E PRA SEMPRE.

domingo, 18 de abril de 2010

Eu sinto dizer isso que vou dizer agora, mas é necessário que todos leiam e tenham consciência disso.
O mundo não tem mais salvação.
Não tem. Simplesmente não tem.
Nós não temos mais muito tempo aqui, e a natureza nos mostra isso a cada dia, a cada desastre. Eu daria uns 50 anos se fosse otimista, e sou. Não tenham filhos, não paguem previdência privada, não façam seguro de vida, não esperem conhecer seus netos, no caso de insistirem em ter filhos. Não, não esperem.
Eu não terei filhos. (Desculpa amor, mas esperaremos até a próxima encarnação) Não terei por que não estou preparada pra -lo morrer sendo levado por uma enxurrada ou vendaval, ou ainda morrendo de sede no mundo escaldantemente quente que nos espera ou morte pela violência cada dia pior. Não mesmo.
Temos que fazer planos para nossos prómixos poucos anos, planos pra tentar melhorar o mundo até o fim, melhorar sem o intuito de salvar, como já disse; não há salvação.
Por Alá, Buda, Deus, oque preferir, não corra morar em grandes cidades meu filho, é lá que os grandes desastres acontecem e onde você corre mais riscos de ser assaltado, morte, atropelado, levado por deslisamentos, alagamentos e afins. Uma vida boa e menos despreocupada em pequenas e médias cidades é mais aconselhável. Ainda mais se você insistir em ter filhos, e se o fizer, não dê nenhum tipo de nome a ele que termine com "on", tipo Uóshinton ou Vanderson. Não por nada, só pra manter a sobrevivencia dele na vida social mesmo. (Y)
Será por água, fogo, gelo, terremoto ou lixo, mas vai acontecer. É só olhar em volta, as coisas não são mais como antes. Lenta e dolorosamente o ser humano assinou seu contrato com a morte e ela vai cumprir com sua parte, pode ter certeza.
E para completar sem perder o espírito da coisa:

"A vida é muito importante para ser levada a sério. "
Oscar Wilde

Adoro esse cara.
Preciso admitir que as coisas que não estão mais iguais ao que eram antes. É visto, é sentido que não estão. E eu tenho lidado bem com elas até, ao menos ainda não enlouqueci ou entrei em depressão profunda, sei lá, já é alguma coisa.
Antes eu só precisava me preocupar em ir na aula, pegar todo mundo, dormir, beber e manter os amigos por perto.
Agora eu só preciso me preocupar em ir na aula, ir trabalhar, em NÃO pegar todo mundo, manter os amigos por perto, fazer um TCC e mais 3 trabalhos de finalização de curso, dormir tudo que puder (o que não é muito) e não chegar bêbada no trabalho.
Pois é.
Amplie seu campo de visão, eu ainda quero ter uma banda e fazer minha família não me odiar profundamente por não lhes dar atenção.
Parece bom, muito bom.
Eu consigo vai, eu me acostumo, como me acostumei a todas as outras situações que já vivi, por mais adversas que elas fossem.
Eu sou completamente adaptável a tudo que me interessa ser e/ou estar melhor do que antes.

sábado, 17 de abril de 2010

Só uma história
Parte 3


Ela esticou a mão pra ele e sentiu o efeito que uma pele tinha sobre a outra. Arrepiou-se.
Ele sentou do outro lado da mesa e serviu em silêncio duas tigelinhas de sorvete, alcançou uma para ela e outra deixou em sua frente. Ela observou cada movimento dele sem dizer nada, sem se quer se mover.
- Pode comer, não ta envenenado. - Ele brincou.
Ela de pronto pegou uma colher e provou do conteúdo da tigela. Era bom, muito bom. Nossa, só agora tinha percebido que estava com fome, muita fome!
Depois de alguns minutos em que só se ouviu o tilintar de talheres, ela decidiu falar. Hesitou uma vez, hesitou duas vezes e...
- Como eu vim parar aqui?
Ele ergueu os olhos pra ela, a analisou, depois se jogou pra trás na cadeira.
- Então você não lembra mesmo? - Indagou como quem não acreditava.
Ela fez que "não" com a cabeça.
Ele suspirou fundo e seu rosto, que antes sustentava um semblante leve e alegre, assumiu um tom sombrio.
- Foi ontem a noite...

Continua. Um dia.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Puxando assim óóó, o útlimo tantinho de ar que me resta. Mantendo a calma, tentando não perder o controle, tentando MESMO não perder o controle. Eu to tentando, to tentando.
Calma Mariá, calma. Respira.
[suspirei]
Vo lá.

Eu gosto de ti.
Isso já deve significar alguma coisa.
Predictable - Good Charlotte

Pra sempre e sempre minha canção. :]

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Tudo começa por você, qualquer coisa que seja. Até a sorte, depende do que você fizer, do que você querer, se você estiver realmente disposta a isso. E eu sou da opinião de que se você acredita muito em uma coisa, quer muito uma coisa (tirando ganhar na mega sena e pegar a Angelina Jolie), e realmente pensar que vai conseguir, mais cedo ou mais tarde você a tem. Obviamente que isso não é sempre, não é pra todo mundo e não é pra tudo. Mas que o pensamento positivo faz diferença, isso faz!
Eu não tenho muito na vida, nada pertence a mim e eu não pertenço a quase nada. Mas com cada minima coisa que consigo procuro aprender, ser feliz, me completar.
Pensamento Positivo sempre.

Obs.: Isso não é a letra de um reggae. ;)

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Eu nao sei como isso acontece, mas acontece. E quando acontece é tao nítido pra mim que chega a ser engraçado. Tipo; "Meu, eu notei. De novo"
Ainda nao identifiquei conscientemente os traços, trejeitos, gestos, falas que te entregam, mas algo no meu inconsciente os identifica e repete mentalmente: " Você esta mentindo". As vezes me incomoda, mas na maioria das vezes eu ignoro, se a verdade nao lhe parece importante, a mim uma mentira também nao sera.
Não é um "observador de almas" como diz Tetelão, não tenho esse poder. (muito menos o de ver as pessoas peladas.DROGA!) Nesse caso, e com algumas excessões, sou só capaz de ler, creio eu, coisas que passam desperebidas.
Eu sei quando você mente, eu sei. E por enquanto não há problema, só não minta de mais. ;)

terça-feira, 13 de abril de 2010

As vezes eu devia ter medo, eu acho.
As vezes parece, e não só a mim, que um dia ela ira se revoltar e aparecer lá em casa com uma 12 nas mãos pronta pra estourar meus miolos.
Só as vezes. :p
Por que na maior parte do tempo ela me faz sentir bem, me passa um espécie de sentimento bom e(parece tambem) inabalável, não tenho tanta certeza.
Eu prezo, e muito essa relação de carinho e respeito que estabelecemos entre nós, de amizade eu diria, não sei se vai concordar. Foi ela quem sempre apareceu nas minhas noites nebulosas, como se advinhasse que chovia dentro do meu quarto, enquanto lá fora o céu era estrelado, pra numa mensagem dizer que ficaria tudo bem no final das contas. "Tu é forte". Eu cheguei a quase acreditar.
Eu já falei isso antes e vou repetir muitas outras vezes ainda. Obrigada por estar do meu lado, até mesmo quando eu não queria, mas precisava.
AVATAR pra ti.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Talvez seja como a Juli diz: " É dessa vez cara! Vai lá Mari!"

Eu realmente espero que seja. :)

domingo, 11 de abril de 2010

-Mau dia comandante, mau dia.
- Com calma soldado, piores virão.

Eu ouvi tantas coisas ontem, eu ouvi conselhos, ouvi resoluções, ouvi reclamações, ouvi opiniões diversas sobre mim, sobre tudo que esta acontecendo, ouvi criticas duras e elogios confortantes. E eu me calei, por que quem eu mais esperava ouvir, se quer abriu a boca.

Olha o drama Mariá, olha o drama!!
Existe uma tênue e quase invisivel camada que separa o "certo" do "errado. O ponto de vista.
Então, numa simples e rápida declaração que cairá feito uma luva deixarei vocês a par.

O único errado aqui é você, por estar metendo seu bedelho onde não é chamado querido.
Passe bem.

sábado, 10 de abril de 2010

É. Todo mundo vai te decepcionar, você só precisa escolher por quem vale a pena chorar.

Hoje não

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Eu não saberia dizer qual seria a solução ou a melhor forma de se fazer isso, mas tenho a absoluta certeza que política não é.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

To um pouco carente assim, nada de mais, nada de muito grave, acho. Nada que um pouco de atenção não cure. Essa parte é que vai demorar.

"Só sei do que não gosto.
Nesses dias tão estranhos, fica a poeira se escondendo pelos cantos.
Esse é o nosso mundo.
O que é de mais nunca é o bastante.
A primeira vez é sempre a última chance"

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Minhas pobres e boas intençoes foram por agua a baixo.
Sempre sinto sono nessa hora.
Não posso faltar a reunião de daqui a pouco.
Preciso começar meu projeto.
Vou ser segunda goleira. Por mim podia ser a 6365635 goleira, não me importo.
Perdi meu CPF. Preciso ir na delegacia.
Eu não boto fé nisso.
Quero um kinder ovo pra relaxar.
Acho que nunca mais voltarei a acreditar.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

putamerda
to muito cansada, meio tristonha e um tanto quanto sem vontade.
eu preciso de...
O dia que minhas pretensões acabarem e eu não tiver mais forças pra segundas intenções(6). Ai, voces me enterrem, por que aqui não vai haver mais nada , nada a ser aproveitado. Nesse dia, terei o primeiro sono tranquilo de toda uma vida, não sonharei com coisas estranhas ou eróticas. Eu não sonharei. Nesse dia, meu sorrisinho de canto cairá por terra, minha sobrancelha não se erguerá mais, eu não terei nenhuma piadinha idiota pra soltar. Ai, voces me enterrem.
O dia em que meus braços, apesar de pequenos, não serão mais capazes de envolver um amigo por inteiro, o dia em que meus dedos não estalarão sem parar, o dia em que não quiser botar eles em um lugar mais atraente. ME ENTERREM!
Até lá meus caros, me engulam. ;)
Nunca suportei pessoas inconstantes de mais ao meu lado. Talvez por que de inconstante aqui já chega eu.
Eu segurei mais essa vontade.
Tenho segurado muitas vontades ultimamente, vontades que há muito não ficavam reprimidas aqui dentro, e eu ainda não sei bem como lidar com elas. Eu as reprimo, mas elas se revoltam, teem seus próprios argumentos e me deixam maluca de tanto falar. Eu nunca tinha notado o tanto que elas falam e fui eu quem deu voz a elas. Mas antes elas falavam junto com todo o resto, hoje elas são uma força contrária ao que tento seguir, tento e tenho conseguido. Só não vou mentir que é fácil, por que não é. Não é nada fácil.
Se vale a pena tudo isso? Eu não saberia dizer, e quem saberia? O tempo vai dizer se tudo isso vale a pena ou não.

Desculpa, eu aprendi a questionar, a questionar tudo e todos.

sábado, 3 de abril de 2010

Quando eu pedir um beijo, você me dar dois.
Quando eu não quiser ir, você querer ficar.
Quando eu achar que não, você me dar todas as provas de que sim.

Assim. Espero.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Com o tempo você a prende a se importar com quem se importa com você. E eu não escrevi um "só" ali antes do "com quem".

Ontem alguem me disse que realmente achava que eu era uma pessoa neutra no meio dessa folia toda.
Eu só não sei o que isso quer dizer (Y)

quinta-feira, 1 de abril de 2010

"Depois de tanto caminhar
Depois de quase desistir"

Sandy - Pés cansados
Minha memória anda um tanto quanto afetada, um tanto quanto alterada. Na verdade, eu pareço estar sem memória. ¬¬
Mas no final das contas "estar sem memória" é necessário, é bom e preciso esquecer de todas as covardias sofridas, de todos os tombos(de precipícios), de tudo de ruim que já passou por aqui. É pra me libertar, é pra não guardar rancor, é pra poder viver melhor comigo mesma. Só não pode abrir a guarda, pelo menos não de mais.
Eu tenho um passado, e obscuro ou não, ele é meu e vai continuar lá onde diz o nome.