segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Eu não esperava. Sério. Eu não esperava, e de tanto que eu não esperava, talvez eu nem quisesse.
Eu já tinha aprontado em 3 horas de festa coisas o suficiente pra 2 ou 3 festas inteiras. Então eu já estava meio que, saciada. Mas eu não sei, deve ser o lugar, aquele lugar é o "nosso" lugar.
Vamos morar lá?Por que as coisas realmente acontecem pra nós quando lá estamos.
Eu não esperava parte 2.
A parte 2 eu REALMENTE não esperava. Me surpreendi com as palavras, com as ações, com os atos, com as consequencias. Mas me surpreendi de uma forma madura, pé no chão, de quem já passou por isso antes e que não vai amolecer facilmente, eu acho.
Tu lembra da minha reação? Eu lembro. Eu parei, não te olhei nos olhos como da última vez, não te beijei com sofreguidão, como quem quer dizer que aquilo é reciproco. Eu olhei pra fora e respirei fundo um pouco irritada. Você repetiu mais algumas vezes aquela frase querendo dar ênfase ao que dizia, logo depois tentou se explicar. Eu não queria explicações. Controlei minha raiva, revolta e falei da forma mais calma e sensata que poderia expressar o que sentia: "Tu esperou um ano pra me dizer isso?"
Confesso, eu não lembro quais foram as suas palavras depois disso. Minha cabeça girava a milhão, eu revivi o último ano em segundos e por um momento tive vontade de sair dali, não conseguia acreditar que você nos privou disso durante todo esse tempo. Mas eu não o fiz, eu te beijei de novo, e de novo, e de novo.
Como naquele sábado, hoje eu não espero nada. As pessoas bebem e falam o que querem, mas ao acordar as coisas mudam um pouco, eu sei bem como é.
Eu não me surpreenderia se tudo voltasse a ser como antes de sábado, eu e você fingindo que não existe nada, que está tudo bem. Você me fez aprender a fazer isso.

"Mais uma noite só, mais uma noite. E são lembranças que o tempo não pode mudar, foram promessas que a gente fez sem pensar. E no final é com você que eu quero estar."
Entao.
O fim de semana foi divertido, foi ótimo, foi engraçado, cansativo, alcoolico. O que se esperar quando nos juntamos? Nada muito diferente disso. Ah, só esqueci de dizer a parte do briguento, por que sim, a gente briga muito quando tá junto, pra segundos depois tá se lambendo de novo. Amor nas suas mais variadas formas.
Vinte e oito horas seguidas juntas, na casa da Rafa, uma caixa de cerveja, histórias e comentários da festa da noite anterior. Nada pode ser melhor que isso.

A festa de sábado? Então, a festa de sábado. Eu não posso falar nem 1/3 do rolou lá, por que bem sabemos que é impublicável, mas posso dizer que foi como todas as nossas festas, divertidas, 'assustadoras', engraçadas, sem noção, reveladoras, sem vergonha.Ótima!
Tem alguma coisa na água da casa da Rafa, não sei, as pessoas enloquecem, os hormônios dão duplos twists carpados lá. Eu benzeria aquela casa. Capaz, não benzeria não. (6)

Eu não quero falar nada sobre acontecimentos e revelações, em específico, ainda. Eu só espero que não seja da boca pra fora.

domingo, 29 de novembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Garotas, obrigada por construir comigo novos sonhos, obrigada pelos sorriso, por provocar pequenos apertões em meu peito, por me darem esperança e me fazerem feliz nessas horas.
*_*
Parece que minha "tristeza" afetou uma galera, bom não era a intenção, então desculpem-me. Por afeta-los, não por estar triste.
Só pode que é o fim de ano, eu odeio fim de ano. Odeio ter que recomeçar o que construi durante um ano inteiro, pensando assim, parece que foram 365 dias jogados no lixo. Óbvio que não foi assim ne, mas parece.
Ainda não está na hora de balanços de fim de ano, e além do mais eu não faço balanços de fim de ano.
Ok, o mundo caindo ao me redor, minha animação uhuu, uma merda. Eu não devia estar assim, preciso me concentrar, tenho provas finais, exames, projetos, trabalhos, Preciso me concentrar, nada pode, nem deve tirar minha concentração agora. Nada devia, mas tem tirado.
Eu, a ponto de cometer suícidio social e ir pra casa morrer na internet, fui salva. As gurias apareceram loucas e bebadas e fomos nos divertir um pouco, por algumas horas eu me diverti. Fora é claro que quase brigamos, e ia ser muito bonito cara! Néia estourando de raiva, eu tomei as dores dela e por um segundo apertei os dentes e cerrei os punhos tão forte que meus aneis machucaram meus dedos. E na verdade eu queria socar a cara daquela vadia.

Eu ainda me sinto...triste. Talvez amanhã passe, amanha tem festinha e sei la, vai que eu dê sorte,ou não também, vai que piore.

Sabe, nos podiamos ir para uma praia, fazer uma fogueira na areia, tomar whiskey com energético, ouvir a rafa tocando violão, sentir o vento frio que vem do mar a noite, ouvir o barulho ensurdecedor do mar. Ia ser relaxante, revigorante. Todos nós juntos lá.
Bom, nos nao temos o mar, mas temos a piscina na rafa e a rafa tocando violão, mas sem fogueira, Tia Ana nos mataria. Tá quente, tomamos cerveja. Sei lá, improvizamos. Só quero mesmo relaxar.

Eu ainda sinto uma pontadinha de vontade de chorar enquanto escrevo isso, mas não, hoje não.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Eu rindo, sentada na piscina da catedral.
Eu gosto daqui, por mais que esteja sozinha, não me sinto assim.
Boas lembranças desse lugar, ótimas lembranças de tardes e noites aqui.
Eu percorro todo o espaço a minha volta com os olhos, uma pontada de saudosismo no peito. Dentro de alguns meses isso tudo vai mudar, muita coisa vai mudar e de novo, pra mim, esses bons momentos vão ficar só na memória. Eu já devia estar acostumada, não estou.
Mas porra, é a catedral, nossa segunda casa. Temos raízes aqui, encravadas mais fundo do que podemos imaginar.
Eles vão encher nossa piscina d'agua, as aulas da Mari e do Jack vão terminar, o Finger vai sair modelar mundo a fora. Caminhos tão distintos eles vão tomar e estão cientes disso, mas não tenho tanta certeza se teem consciência de que é agora que a saudade vai realmente começar, que eles deixarão pra trás a melhor fase da vida.
A catedral vai continuar aqui, como sempre esteve, guardando nossos sonhos e lembranças, pra sempre.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

No último dia eu vivi a boa expectativa do nascimento e a péssima expectativa da morte. Tudo tão "simples", nascer e morrer, tudo em questão de segundos.
Quando "minhas" crianças nasceram, eu fui lá, as peguei no colo e cochichei em seus ouvidos:
- "Te prepara. A coisa aqui não tá muito boa e tu vai precisar ser forte, mas a gente tá aqui pra ti."
Hoje as duas são extremamente temperamentais, teimosas e de personalidade forte. Até a que ainda não fala ja sabe teimar.
Todas as vezes que perdi alguem, questionava sem parar o porquê daquilo, de eles nos deixarem. Nós estavamos lá pra eles.
Vida e morte, tudo tão próximo, tão presente. Alegria e tristeza a segundos da realidade.
Espero não ver quem amo sentir a triste realidade logo.
Força ae Tate. =\
Livre-se de antigos e dolorosos amores antes que você se torne tão amargo a ponto de nao conseguir se apaixonar de novo.
A máxima, 'não desista nunca', cai por terra depois de algum tempo. Por que não desisitir de algo não correspondido, doloroso e impossível? Bom, cada um com seus motivos, quem sou pra contesta-los.
O que não entendo é a vida ali gritando pra ti; ' Vai viver tua vida e esquece dele! Para de viver as voltas de alguém que nunca vai te corresponder a altura!'. E as pessoas simplesmente perdendo outras que poderiam as fazer felizes.
Vai se apaixonar de novo, se permita amar outra pessoa meu deus, isso não é assim tão difícil.
Tá tudo ai na tua frente, pronto pra ser teu, mas não vai estar pra sempre, então aproveita.

domingo, 22 de novembro de 2009

Eu nunca to preparada, eu não sou preparada pra esse tipo de coisa. Peito aberto sempre, as emoções a flor da pele, fazer o que se tem vontade, sem mais nem menos.
Eu não me atreveria a dizer que é impossível me apaixonar por ti, por que não é, e eu não me negaria isso nunca. Coragem súbita impulsionada pelo jeito com que tu me olha.
Não, isso não é um texto romântico ou uma declaração, até por que eu não posso declarar o que não existe.
whatever
Eu tenho dormido muito pouco, parece que a insônia voltou com tudo na vidinha. Malditos tempos em que ela me atormentava.
Então, eu escrevi algumas coisas, mas nao vo posta agora, de noite talvez.

Ah, tem uma coisa estranha acontecendo na vida. Estranha mesmo.

sábado, 21 de novembro de 2009

Depois de uma sexta legal, de acontecimentos fofurinhas, bons, BEM bons, tensos, engraçados e tudo o mais. De não dormir e ir direto pra aula e estar acordada por mais de 24 horas, o que mais me impressionou, o que fudeu o bivaque foi uma colega de faculdade perguntar como se fazia print screen. O.O
Definitivamente o mundo tá perdido.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Dia do cão!
Sim, eu estou de mal humor, e quem esteve comigo por dois minutos notou isso. Desculpem-me se ofendi ou magoei alguém, mas na hora não dá pra controlar.
Deve ser o calor infernal, ou o pesadelo que não me deixou dormir ou ainda, por que as coisas não aconteceram do jeito que eu queria, odeio isso, eu tinha um plano, ele tinha que ter dado certo, como sempre dá.
Paciência, não dessa vez eu não tive paciência.
whatever, espero que ate amanha passe, não dá pra socializar com esse humor.
Era 8 e pouco da manhã. Já fazia um calor insuportável e meu ventilador não dava conta de me refrescar.
Eu acordei sobresaltada, suando muito, tive aquele pesadelo que a tempos não tinha, mas foi exatamente igual a todas as outras vezes. Por um instante eu tive a nitida sensação de que ele estaria ali sentado nos meus pés quando abrisse os olhos, me olhando e sorrindo. Não estava. Eu respirava como se tivesse corrido léguas, soluçando de tanto chorar, sim eu chorei dormindo. Balancei a cabeça repetidas vezes tentando acordar de vez, passei a mão no cabelo, tirei a camiseta molhada de suor e a joguei longe, tentei me acalmar. Banho gelado. Não dormi mais, é claro, elétrica, agitada.
Eu espero que ele esteja bem e que tudo fique bem, simples assim.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Eu me sinto bem assim, um ou dois olhares sempre me desejando, sempre querendo algo mais do que se tem ali na hora.
Eu tenho sorte e pouco juízo.

MODESTA EU.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Fazendo escolhas em um sábado a noite.

"Não, não! Por que eu tava aqui mesmo? Concentra cara, concentra no que tu tem que fazer."
E o que eu tinha que fazer?
Sei lá, tipo, duas escolhas óbvias, sim ou não.

Não =Iria eu pra casa sozinha, não bebada, dormir na minha cama perfeita com o ar condicionado bufando um friozão, assistir filme, Altas horas, Cine Band privê, etc. Comer porcarias e tomar o suco de uva sem igual da vó?

Sim = Iria eu entrar naquele carro, beber qualquer álcool na já conhecida e boa companhia de quem dirigia. Uma festa qualquer, umas risadas, alguns parceiros, mais um trago, mais uma ficada sem importância, talvez, mais um sexo sem compromisso e voltar pra casa de manhã não satisfeita?

Ai, eu tenho sono, me deixem dormir. Além do mais Altas horas vai ta bem bom hoje.
Vejam só?! Eu sei dizer não. hãm!
Existem duas coisas que você precisa saber sobre as mulheres, fora a óbvia que é ama-las acima de tudo.
Garotos e garotas, isso serve pra qualquer tipo de relacionamento, amoroso ou não.
Aprenda ouvi-las.
Independente do motivo, assunto, lugar, intenção ou segunda intenção, ouça-as. Nós vamos falar sobre nossos sentimentos, desejos, medos, passado, anseios, planos. Ouça, faça comentários inteligentes e construtivos, se nao, não faça. Toda mulher, inclusive eu, ama ser ouvida, ama que lhe deem atenção, então dê.
A segunda coisa é consequencia da primeira, tenha paciência. Elas vão falar muito! Falar, falar, falar por muito tempo, exercite sua paciência se não tiver um bom motivo para faze-la parar de falar, se tiver, faça.
No final das contas você não precisa entender, por que seria impossível, nem nós nos entendemos. Você só precisa demonstrar interesse, ouvi-la e ter paciência, a recompensa virá depois, de variadas formas.
Nós somos irritantes, é de natureza. Irritar é uma das coisas que melhor fazemos, então paciência véi, paciência.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Eu devo agradecer todos os dias da minha vida.
Por que o inesperado me ama, e eu amo ele.
Obrigada conjunção de fatos aleatórios, obrigada.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Nós tinhamos tantos sonhos e planos juntos, tantas idéias sem fundamentos, mas cheias de esperanças. Nós só não queriamos nos separar. Queriamos parar o abstrato do tempo na nossa adolescência, nos melhores anos das nossas vidas. Viver juntos e fadados eternamente em uma uma vida sólida e real, onde nada poderia ser ruim, por que estariamos juntos, estariamos ali um para o outro pra qualquer coisa que pudesse acontecer.
Nós nos divertiamos tanto. Vocês lembram de como eram nossas tardes? Divertidas de todas as formas. Encrencas, problemas, brigas, tudo que passamos um ao lado outro. Os porres sem iguais, as festas loucas, insanas, improváveis que já fizemos. Tudo de muito sem noção que tivemos a capacidade de inventar e por em prática, por que nos eramos sim loucos, diferentes do resto das pessoas da nossa idade, a gente nunca se importou com que falavam, nós eramos mesmo estranhos.
Onde foi parar o plano de ir pra longe, montar um restaurante, morar, viver, todos juntos!? Eu lembro bem que prometemos nunca nos esquecer, nunca nos separar. Eu sei que nunca vamos nos esquecer, mas a maldita distância física, os kilometros que nos separam acabaram com nossas ambiçoes mais fervorosas. Acabaram?
Não, não acabaram. Por que nós ainda vamos morar juntos, ainda vamos fazer tudo aquilo que planejamos a vários anos e vai ser exatamente como queriamos, por que do lado deles tudo poder ser real.
Vocês serão padrinhos e madrinhas dos meus filhos e eu dos seus, e eles brincaram juntos no nosso quintal, enquanto nós os observamos lembrando de tudo que passamos juntos e tendo certeza de que somos pra sempre um na vida do outro.
Digo, Juli, Bart,Gabi, Loro, Vini.
Obrigada pelos melhores amigos que alguém poderia ter.
Vamos falar sobre decepção, sobre decepcionar-se, sobre como as pessoas, inclusive eu e você, são experts em decepcionar as outras.
Sem eufemismos, sem hipóteses, sem cogitações, só a verdade de como eu me sinto nesse momento.
Decepcionada. Simples assim.
Obsoleta, talvez, pra algumas pessoas. Minha nova postura, meus novos desejos, objetivos não parecem mais interessar, eu pareço desinteressante.
É eu sei que não se deve esperar demais das pessoas, e eu não espero, eu só queria que elas continuassem a fazer o que sempre fizeram, na época em que minha companhia fazia diferença em suas vidas.
Eu me sinto sozinha parte 64451.

Obrigada Mari, por ser a melhor das amigas ultimamente.
Obrigada, Thais e Finger por perguntarem, pro se importarem.

Eu ainda nao entendi esse modo 'atualizado' de Mariá, com juizo e toque de brincadeira, com seriedade e pitada de safadeza, com carisma e malicia. mas de qualquer forma, eu me adapto, porque afinal, eh o teu jeito. e nao que as pessoas mudem, elas apenas se cansar de ser elas mesmas assim como cansam das outras.

By Marieli.


Será?

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O que me sempre me encomodou não foi ser substituída, o que encomodava era ver por quem eu era substituída.
Eu não sou boa companhia em todas as ocasiões, então algumas vezes não parecia ruim voce ter encontrado alguem que tenha suprido tuas necessidades, com as quais não fui capaz de acabar. Mas na maioria das vezes, ela era só mais uma idiota com quem você se divertia, com quem você se encomodava e que só trazia problemas, isso eu também sei fazer,muito bem, melhor que todas juntas. Então, por que não eu? "ah ah, por que não eu..?" (8)
É a tal combinaçao de fatores aleatórios, da qual sempre falo aqui, só pode. Eu realmente acredito que é essa combinação que move muitos motivos por ai.
whatever.
Esse não é um texto dramático sobre amores impossíveis ou algo do tipo, eu liguei o "foda-se" pra você também, e ele tem funcionado nos últimos tempos. Isso aqui é só pra me lembrar que eu falhei comgo mesma, de novo.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Diz que readimitiram a guria que tinha sido expulsa da universidade por "trajes e conduta inadequados".
O que a pressão da mídia e da opinião pública não faz ne?

Sabe, eu não sei bem o que pensar, eu não estava lá no momento e não sei qual foi o comportamento dela e dos alunos que a hostilizaram, mas convenhamos, alguma coisa de errado a moça deve ter feito. Por que olhando os videos e fotos dela, o vestido não parece ser assim tão curto, apesar de ser de extremo mal gosto, na minha opinião, então ele por si só não seria motivo pra tanto alvoroço.
Longe de mim ser preconceituosa, mas a cara da moça já me passa vulgaridade, suas roupas em entrevistas e programas de tv, passam uma falsa sensualidade, vulgo vulgaridade. (isso ficou redundante?)
Eu ouvi algum aluno da universidade dela dizer que ela parou no meio do corredor e levantou um pouco a saia. Ops! Coitadinha dela.
Mas se ela provocou entao vamos abster os xingadores e revoltos da culpa de te-la hostilizado? Não caros leitores, brincadeira tem limite, hora e lugar. Universidade, como diz o nome, é para se aprender a lidar com a diversidade, não se voltar com ignorância contra qualquer comportamento fora do comum, mesmo que inadequado. Tolêrancia pessoal!
E como diz o Jô, deus desse, do antigo e do próximo mundo, "não importa que a saia seja curta, desde que a inteligência nao seja"
Um viva pro Jô! \o/ E um viva pro bom senso, que tá faltando em muitos lugares, e pessoas. ;)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Meu dia foi bom, eu acordei com dores abdominais gostosas (6). Tá!
Caminhei trocentos Km, joguei bola, tomei baldes d'água e quase nao comi. Estive animada, disposta o dia todo, até...
Eu já comentei como minha turma na faculdade é um cú? Pois é, ela é um cú. Tirando 2 ou 3 colegas de comin e os outros de turismo, que nao teem sempre aula com nós, os outros nao fazem a menor diferença na minha vida.
Então. Cheguei na sala e o prof. entregava um questionário que haviamos feito algumas aulas atrás. Eu, escritora que vos fala(escreve), tirei nota máxima (H) Há! A única da sala inteira.
E foi um milagre divino, o santo da teorias e praticas cambiais que baixou em mim no momento que fazia-o, só pode.
Peguei o trabalho das mãos do prof. e me encaminhava orgulhosa pro meu cantinho quando ouço aquela voz irritante falando:
- Como a Mariá tirou nota máxima e eu não?
Ai gente invejosa ¬¬ Sentei e fiquei quieta.
- Isso não é justo prof, eu tambem fiz tudo certo e ainda escrevi muito mais do que ela. - Ele continuou poluindo o ar com sua voz.
- Ela foi melhor, simplesmente. - O prof. me defendeu.
- Eu duvido muito. - Ele retrucou mais baixo.
Agora minha maldita boca grande e a mania de não levar desaforo pra casa me fizeram falar:
- Para de ser invejo velho.
O chão da sala tremeu quando nos encaramos.
- Era o que faltava eu ter inveja de uma filhinha de mamãe! - Ele aumentou o tom da voz. Tensão no ar.
- Pelo menos eu admito. E tu que é um fracassado e se acha o cara! - Eu debochei.
Meu prof segurou o riso, meus colegas não. Ele me olhou, e eu sabia o que ele queria dizer e eu de certa forma torci para que ele falasse, tinha a resposta na ponta da lingua, mas ele nao falou. Bundão.
- Chega vocês dois. - O prof interviu. Eu sorri de canto, o bundão se virou pra frente.
Ok, promessa quebrada.
Mas foi bã!! :)

sábado, 7 de novembro de 2009

Eu nao quero saber, nem esperar por nada, nem querer nada. É festa, deixa as coisas rolarem meu! ;)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Eu atravessei os gramados verdes cheirando a pitanga da faculdade. O sol já se escondera e o céu se mostrava e iluminava o começo da noite com um tom de azul, relaxante. Temperatura gostosa, Reação acústico tocando nos meus fones.
Minha vontade era de tirar os tenis e sentir o geladinho da grama no pés, deitar ali e observar o céu escurecer.
Eu sou uma rebelde aposentada.
Sim caros leitores, eu sou.
Cansada dessa vida de agitação e álcool todo dia. Cansada de tentar me manter sedentária, por que um rebelde tem que ser sedentário, e eu tenho feito muito exercício ultimamente, vocês ainda vão me ver gostosa! Cansada de passar as tardes e noites pelas ruas bebendo e tentando arrumar uma briga, companhia ou as duas coisas. Cansada de sexo sem compromisso, de amor de uma noite, de paixões súbitas e arrebatadoras.
Eu tô mais querendo passar as tardes em casa de cueca e top, e de noite fazer alguma coisa que não exija muito da minha capacidade física e mental.
Chega de brados contra o sistema capitalista, somos todos capitalistas, caia na real. Faça a sua parte, polua o menos possível o mundo em que vive, seja correto, honesto, justo. Essa é a verdadeira revolução, mudar as tuas próprias ações antes de qualquer coisa.
Eu me aposentei, mas nao deixei meu mad rats velho de lado, nem vou tirar minhas artes do corpo, aliás, tenho que alargar a outra orelha e fechar o ombro de tatoo logo.
Maldita idade que vem chegando...
Bloqueio, bloqueio, bloqueio!
Gripe,gripe, gripe!

Depois posto. ;)

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O mundo vai desabar! :O
E agora, comofaz mãe??
Te segura guria, rebola ae e da um jeito na coisa, tu não é feita de açucar e nem de cristal. Já viveu coisa pior e tá ae pra contar a história, dessa vez nao vai ser diferente.
Ah! eu to bem cara, to feliz, to animada, empolgada, disposta!! xD
Independente de qualquer coisa, hoje eu to bem, simples assim.
Cara! Hoje eu to feliz assim! :D
Eu e a Tabata ganhamos um picolé do picolezeiro. :O Sim, ele nos DEU picolés, bem do além.
E joguei bola na quadra, depois na chuva! xD Muito bom jogar bola na chuva, tomar banho de chuva! Faz bem caralho!

Pô, Matheus, Mari, Rafa. Vocês foram perfeitos cara, obrigada por tudo, pela força e tals. :DD

terça-feira, 3 de novembro de 2009

E a frase do momento é:

"Faça o que quiser, mas não venha botar fogo no meu cabaré!"

É, não venha mesmo.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Minhas velhas fotos, minhas velhas roupas, minhas velhas lembranças, meus velhos sentimentos. Guardadinhos e queridinhos no fundo da minha memória.
Vir pra casa é nostalgia, a família, os amigos, as coisas e sentimentos que só existem aqui. Minha cama delícia, que não há igual, a comida da mãe, da vó, e dos tios. O clima, a calmaria, a paz. Não fazer nada com coisa nenhuma.
Estar perto de apenas pessoas que te amam da forma mais intensa e verdadeira do mundo, se sentir MUITO bem com isso.
O que me segura longe deles então? Eu não tenho certeza na verdade, mas é um conjunto de fatores que estão perdendo sua importância e peso.
Eu vou fazer tudo difetente de como fazia.

domingo, 1 de novembro de 2009

Eu preciso dizer como tu me faz bem cara. *_*
Mari, tu me faz muito bem, sério.
Nossas conversas são as melhores, esclarecedoras, intensas, me ajudam de uma forma que tu nao tem idéia e eu espero com todo coração que eu consiga ter o mesmo efeito em ti.
AMO demais cara. Obrigada por tudo!
Eu gostaria de ter todos guardados em uma caixinha e viver as coisas boas de cada um quando quisesse.
O beijo de um, o carinho de outro, o sexo de outro, o bom humor de outro.
As pessoas vem e vão na minha vida na velocidade da luz, rápidos, certeiros, incomparáveis, descartáveis.
Pessoas não são descartáveis Mariá. Ok, não são.
E também não são substituíveis, por mais que tu queira acreditar nisso, não são nem de perto.

Eu tenho que parar de ser tão saudosista e pessoal nesses textos.

Você me abraçou forte e disse no meu ouvido no meio daquele barulho todo:
- Eu vo te amar pra sempre.
Eu sabia que aquilo era verdade, e era tão bom, tão bom me sentir protegida nos braços dele, tão verdadeiro e puro.
Por que mesmo eu abri mão disso?
Eu saberia ser indiferente a tudo isso? Óbvio que seria, mas não sem dor como antes, é claro.
Eu posso muito bem continuar com minha vidinha insana enquanto sofro mortalmente por não ter o que quero.
Quando foi que eu perdi o foco? Quando foi que perdi toda determinação que tinha antes, em dizer: "eu quero e vou ter". Foi culpa de quem ou de que? Eu preciso mesmo dizer? Não.
Era tão simples, eu podia ter ficado ali quieta, focada, determinada. Mas eu me iludi, é claro. E as coisas aconteceram sem muito controle, não que eu não quisesse, mas não fazia muita diferença na verdade.

Eu serei de hoje em diante uma espécie de templo, eu farei todo o esforço do mundo para que nada que eu não queira entre e fique por aqui, e essa mudança é por mim. Eu já dei um grande passo há algum tempo atrás e me mantenho firme, sei bem que sou capaz disso também. Eu acredito, em mim.
Ok, eu preciso superar isso.
Ainda é cedo pra me cobrar superação, mas eu tenhoq
E eu ainda sinto muita raiva, to inquieta, agitada, irritada e muito sentida.

Sabe os raios do sol sobre as folhas das árvores? Então, as folhas nunca conseguem segurar todos os raios, e eles acabam escapando e formando aquela bolas desfocadas no chão. É assim que acontece, por mais que você tente esconder algumas coisas, as vezes ela simplesmente "escapam".

Eu vo me bota de molho na piscina. Fiquem bem.